17 novembro, 2008

A DEPRESSÃO FINANCEIRA E SUAS RAÍZES EMOCIONAIS

É pouco provável, por agora, ligar a TV e não ter que assistir a uma entrevista com algum economista empenhado na explicação da crise financeira que, passo a passo, se espraia pelos demais paises do mundo e vai gradualmente envolvendo a todos ou quase todos numa situação depressiva. Como todos os esclarecimentos esbarram na fronteira econômico-financeira, nada se esclarece com um pouco mais de profundidade. Sobra, então, o recurso de recordar a crise depressiva de 1929 com a esperança de que a atual também vá passar, ainda que não se saiba quando. Deve demorar - dizem todos.

Percebe-se que uma desconfiança básica determina, no momento, uma restrição a novos investimentos. Mais do que isso, pouco se sabe. O medo pesa mais que a esperança. O que verdadeiramente se teme, e nem sempre se sabe, conscientemente, é que a confiança passa a ser sentida, no momento, como um risco inaceitável. Contudo, o problema não reside na confiança em si mesma, mas na sua ampliação desmedida, que terminou por transformá-la em certeza absoluta, como acaba de ocorrer. Em outras palavras a confiança ganhou qualidades onipotentes, aparentemente intrínsecas.
É deste estado de mente que resultou a certeza absoluta de que tudo o que se queria, e em que se apostava, ia dar certo. Foi daí que resultaram empréstimos de embasamento precário, que terminaram por se converter numa sucessão de falências, como acaba de acontecer nos Estados Unidos, submetidos ao efeito dominó. A globalização amplia o episódio.
A este tipo de desempenho dominado por certezas onipotentes é que se dá o nome de estado maníaco.

Dominada pelo estado maníaco a mente se sente dona de certezas absolutas, contagiantes. Isto é o que dá lugar ao aparecimento de quadros maníaco/depressivos, cuja
durabilidade e extensão podem levar à Psicose Maníaco/Depressiva, como acontece, também, fora do campo econômico financeiro.

A elaboração do quadro depressivo a que ficam submetidos todos os que chegam até aí, depende de que possam reconhecer os pródromos da instalação do quadro maníaco a que estão expostos todos os investidores, na ânsia de se tornarem poderosos e inatingíveis, ao lidarem com o dinheiro ou com outras situações tidas por capazes de garantirem segurança e poder absolutos.

A percepção precoce de esperanças maníacas ajuda a deter a avalanche de certezas onipotentes e afasta a subseqüente derrocada depressiva, inevitável e de longa duração.

Como a loucura tem um poder de contágio maior do que se suspeita, é grande a disseminação do chamado “bom negócio”, que desta vez se localizou no campo imobiliário. Começou aí.
Há que saber distinguir a esperança das certezas maníacas, tão precocemente quanto possível.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home